domingo, 16 de outubro de 2011

Funcionários Públicos, essa corja de malandros!




Sus! A eles! Ao cadafalso, já! Preguiçosos, mandriões, parasitas da sociedade, irresponsáveis, ladrões do erário público que só querem é discutir a bola à segunda-feira, absentistas e mal-criados, enfim, tudo o que se arranjar para os diabolizar é pouco...

Mas, quem são os Funcionários Públicos?

Terão sido eles que afundaram o BPP? Terão sido eles que delapidaram o Estado em cerca de 5 mil milhões de Euro no caso BPN? Foram eles que se locupletaram com os lucros chorudos das parcerias público-privadas? São eles os beneficiários ou os autores dos escândalos Freeport, Sobreiros, Submarinos, Face Oculta, Furacão e tantos outros “negócios” que enchem a mula a muita gente, que tanto quanto sei, não é funcionário público.

Serão eles, por acaso, os que recebem duas e três reformas chorudas por terem ajudado a delapidação do bem comum? Serão eles que recebem os obscenos prémios de gestão das empresas, essas sim, públicas, mesmo que continuem a dar prejuízos?

Não, meus amigos. Os funcionários públicos são outra gente. São gente de trabalho, são gente que até tem de suportar todo este desaforo, até de quem os dirige e que, pasme-se, nem são funcionários públicos! Os funcionários públicos são os Polícias, os GNRs, os Professores, os Médicos, os Juízes, os Administrativos que os apoiam, são os que trabalham nas Autarquias, são os Inspectores que velam pela qualidade dos alimentos e da água, em muitos sítios são os que recolhem o lixo que fazemos, são os que nos dão as informações do estado do tempo, são as pessoas ligadas aos museus e à cultura. Estes são os funcionários públicos!

E são estes a quem não se pede qualquer sacrifício para corrigir o desmando dos outros. Aos funcionários públicos, obriga-se, altera-se a lei e...já está. Saca-se-lhes o subsídio de Férias, o subsídio de Natal, reduzem-se os salários, congela-se a progressão nas carreiras. Quais direitos adquiridos, qual quê, isso é só para os senhores do capital e do poder que continuam com todas as mordomias como se nada fosse e para os quais nunca se pode alterar a lei que os possa “prejudicar”. É esta a Democracia que estamos a ter.

Coitados dos funcionários públicos. Agora até dizem que ganham mais 10 a 15% que os da privada! Esquecem-se que mais de 60% dos ditos funcionários públicos têm cursos superiores e exercem essas funções. Não devem querer que um Capitão do Exército ganhe o mesmo que um agente de uma empresa privada de segurança ou que um Professor possa ganhar o mesmo que um empregado de balcão numa qualquer loja, por exemplo.

E porque não, em vez de se diabolizar os funcionários públicos, começar a reduzir a despesa do Estado acabando com Institutos, Fundações e outros Organismos que só sorvem dinheiro e que pouco ou nada fazem de interesse verdadeiro para a comunidade? Este poderia ser mais um dos caminhos para reduzir despesa e não continuar o ataque a quem nada tem e ver com o assunto. O funcionário público tem de contribuir tanto como qualquer outro cidadão para o bem comum. Nem mais, nem menos!

1 comentário:

  1. Tudo isto faz parte da inversão de valores a que vamos assistindo...

    ResponderEliminar